Facebook: páginas que compartilham notícias falsas vão ter anúncios bloqueados

Quem nunca viu uma notícia de um artista que morreu mas que, na verdade, estava vivinho que atire a primeira pedra. Uma notícia assim, envolvendo o ex-jogador Adriano Gabiru (autor do gol do Internacional na final do Mundial de Clubes 2006), abalou a internet ano passado. Foi espalhado pelas redes sociais que o ex-jogador havia se envolvido em um acidente e falecido. Na mesma semana, Gabiru foi à imprensa informar que estava vivo e bem e que a notícia não passou de uma brincadeira de péssimo gosto. Assim surgiu a Lei de Gabiru, expressão usada em várias páginas de humor e futebolísticas até hoje.

Muitas páginas do Facebook compartilham notícias falsas a fim de gerar tráfego para o seu site prejudicando os usuários da maior rede social do mundo. Contudo, o Facebook continua na luta para minimizar essas notícias falsas e está cada vez mais impiedoso com essas páginas.

Nesta segunda-feira (28) foi anunciado o bloqueio dos anúncios para páginas que compartilham constantemente conteúdos falsos. As páginas que, normalmente, patrocinam posts com notícias falsas bombásticas e impactantes não poderão mais realizar esse patrocínios, visto que há empresas jornalísticas terceirizadas, como Snopes e AP, dedicadas na identificação dessas ‘fake news’.

Em declaração, os gerentes de produto Satwik Shukla e Tessa Lyons afirmaram que infratores reincidentes, ou seja, páginas que sempre compartilham histórias marcadas como falsas, não poderão mais anunciar no Facebook.

“Encontramos exemplos de páginas que utilizam Facebook Ads para construir audiência e distribuir notícias falsas mais amplamente”

O Facebook já tomou algumas medidas para tentar reduzir a disseminação de conteúdos falsos na rede, como impossibilitar páginas de alterarem os metadados (título, descrição e foto) de notícias que são compartilhadas (exceto para veículos de mídia, como canais de entretenimento, esportes e notícias) e um guia para ajudar os usuários a identificarem o conteúdo enganoso.

“A atualização ajuda …

Clique aqui para ver a publicação completa

Deixe uma resposta